Quão arriscado é comer Bacon?

Publicado originalmente em climbingnutrition.com por Brian Rigby (tradução livre).

O sistema de Cancerígino classificação IARC

Quando a agencia internacional para a pesquisa do câncer (IARC) publicou uma matéria que carne processada estavam sendo classificada como grupo 1 – o que significa que ela de fato causa câncer — causou agitação, com manchetes comparando comer Bacon a Fumar e inúmeras mídias sociais postaram matérias em que pessoas preferiam morrer a abrir mão da carne crocante. No meio de todo esse sensacionalismo ficou perdido o que exatamente essa reclassificação significava.

Claro, isso é porque a verdade a notícia não é bem uma novidade. Na verdade não é não tem nada de novo. A primeira coisa que você precisa entender sobre o sistema de classificação IARC é que ele não mede  o risco com precisão de desenvolver câncer devido a exposição a coisas reconhecidamente ou suspeitas de serem cancerígenas. Mas apenas a probabilidade de que algo possa causar câncer.

Parece que há uma distinção insignificante, mas não é. Muitas coisas podem causar Câncer  — inclusive coisas que nos expomos rotineiramente como Radiação UV e Álcool — Mas o aumento relativo do risco é relativamente pequeno para níveis normais de exposição. Basicamente se algo pode causar câncer, é do grupo 1, mas estar exposto ao grupo 1 não significa que você terá câncer.

Claro, Existe uma toneladas de coisas que podem causar o Câncer, e quando carne processada esta na lista com essas coisas é facil confundir o real risco. Mas a unica coisa que a lista realmente diz é que bacon, radiação ionizada, tabaco, luz solar, e amianto tem habilidade de causar câncer. Alguns itens que estão na lista deveriam ser evitados a todo custo. Alguns você pode fazer uma decisão quanto ao nível de exposição (risco calculado) e provavelmente não haverão problemas. Bacon e Carne processada em geral estão nessa lista de “riscos calculados” —potencialmente perigoso, mas não é o mesmo que comer um pedaço prato de tinta óleo.

Risco Calculado vs. Risco Garantido

As histórias mais sensacionalistas cometem o mesmo erro ao associarem o risco com uma atividade. Normalmente ele pode ser a culpar parcialmente o jornalistas que provavelmente não entendem como funcionam os riscos — ou talvez não saibam exatamente como funciona a questão dos riscos, e sabem que riscos calculado soam assustador. Infelizmente essa vez a culpa foi da própria IARC.

Na imprensa a  IARC citou que especialistas concluíram que comer uma porção de carne processada de 50 gramas diariamente aumentam a média geral de riscos colaterais de câncer em 18%. O que soa muito, mas não é particularmente assustador por causa da incidência de risco calculado (colateral) é relativamente baixo — Há uma estimativa de 57,2 casos a cada 100.000 homens a cada ano e 42,5 a cada 100.000 mulheres.

Agora, se nós fossemos calcular quanto do risco calculado/relativo se transforma em risco absoluto em um ano, nós estaríamos menos impressionados porque 18% de 57,2 é 10,3 — o que significa que em um ano se 100.000 homens comerem 50 gramas de bacon todos os dias, então nós esperamos um pouco mais de 10 deles desenvolverão câncer, levando o total para 67,5 casos a cada 100.000 homens. No caso das mulheres, que o risco é um pouco menor, nós esperaríamos algo em torno de 7,7 casos a mais dando um total de  50,2 casos a cada 100,000 mulheres. Além disso, 50 gramas de bacon aumenta o risco colateral absoluto anual em 0.01%, o que é um número muito baixo.

Certamente, olhar para uma doença que evolui lentamente e silenciosamente como o câncer em uma estimativa anual não é a melhor forma de medir o risco. É melhor olhar para o risco ao longo da vida como um todo, porque a probabilidade de desenvolver um câncer precisamente este ano é muito menor do que a probabilidade de desenvolver câncer durante qualquer época da sua vida. Mas quando olhado desta maneira, a chance de um risco certo ainda é pequeno — a diferença é em torno de 4,5% e 5,3% de risco. Isso também significaria que comer  50 gramas de carne processada diariamente  durante toda sua vida é em torno de 350 gramas por semana, e não considera nenhum outro fator positivo para reduzir seu risco, como seus outros hábitos alimentares e estilo de vida.

Claro, se você comer uma tonelada de carne processada toda semana, seu risco irá crescer. Se você estiver inclinado a câncer devido a genética, estilo de vida ou aos hábitos alimentares, então o risco do bacon para a sua saúde é representativo. Se você for como a maioria dos escaladores, então, e você se exercitar frequentemente, comer vegetais e comidas a base de plantas rotineiramente, e raramente se encher de carne processada, então ocasionalmente (e as vezes até frequentemente) Bacon e Linguiça não vai te sentenciar a ter Câncer.

Carne Processada: Não Saudável, mas também não é terrivelmente perigosa

Sua saúde não é baseada em decisões individuais. mas normalmente pelos nossos hábitos. A Maioria dos escaladores mantém uma dieta abaixo da média do ponto de vista da saúde e da prevenção de doenças crônicas. Todos os escaladores se exercitam e muitos deles o fazem obsessivamente por que a escalada é interessante.

Eu não tenho dados sobre os riscos calculados ao longo de uma vida média de escaladores, mas eu suspeito que sejam muito menores do que a maioria. Comer Bacon, Salsichas ou qualquer outro tipo de carne processada não vai aumentar tanto assim o risco de ter câncer. Se você pegar um grupo de 200 escaladores juntos e fizer com que todos eles comam mais carne processada, então talvez possamos esperar que no total apenas um escalador venha a desenvolver o câncer.

Não tenha medo da carne processada — Não é como cigarros ou radiação. Sim pode causar câncer, mas ainda assim é uma probabilidade muito pequena. Coma se o desejar, abstenha-se se não gosta ou deixe como esta.

One thought on “Quão arriscado é comer Bacon?

Leave a Reply